O Chapéu Pintao autenticamente panamenho.

O chapéu é um peça de vestuário, que geralmente se emprega para nos protegermos do sol, em nosso país, os homens do campo utilizam um tipo de chapéu conhecido popularmente com o nome de "Sombrero Pintao" (Chapéu Pintao).

Para sua confecção se utilizam habitualmente fibras naturais de cana, bolota ou sizal,próprias do nosso clima.A cor escura de suas listas se obtém da planta chisná, cujas folhas são fervidas junto com as fibras que têm de ser tingidas; todo este processo acontece manualmente, empregando técnicas transmitidas de geração a geração.A qualidade destes chapéus se define pela quantidade de voltas que o mesmo tenha; assim, há chapéus mais simples, de 15 voltas, ou menos e finíssimos de 16 até 24 voltas, os quais são muito mais caros.Por exemplo, o chapéu Pintao, de 16 voltas pode custar de 150 até 500 dólares.

No interior do país, se confeccionam, outros tipos de chapéus, utilizando materiais diferentes, tal como é o caso dos brancos, nas províncias centrais, o de cana, de tom creme em Veraguas, Los Santos e Coclé e o de fiação de Palma no norte de Santa Fe de Veraguas.

De acordo com a pintura que tem o chapéu, eles são divididos em: pinta mosquitos,levam muitos pontos negros no trançado;o branco, também conhecido como chapéu "ñopito”, é totalmente branco e de acordo com o gosto do comprador, pode levar uma pequena pinta negra de um lado da copa, o de cana,que é muito resistente e se faz com fibra de cana ao natural; o "Pintao" é um dos mais procurados.Se chama assim,não por ser feito em La Pintada, mas porque leva uma combinação de pintas brancas e negras.

O conhecido como pepita de guate, tem inserido a bolota negra no meio da bolota branca.

O de talco, se parece com o chapéu "Pintao", sua diferença vem de que este tem um só talco no lugar de dois, e o homem leva uma combinação de pintas negras em forma redonda no modelo, de cartola e aba.

Além destes, há outros tipos de chapéus, como o "reatilla", o "talco plumilla" e o "talco" encontrado.

Estes chapéus têm conseguido converterem-se em parte importante do vestuário típico do homem panamenho e de nossas mulheres, como por exemplo quando vestem o traje de montaria, além disso, quando se abrilhantam para cantar e assistir as cantorias.

Não existem parâmetros de protocolo para o seu uso, se pode utilizar tanto como peça para uma ocasião de gala, como também pode ser usado no dia a dia, sem perturbar o costume, ou o padrão folclórico do uso do chapéu tradicional.

A forma de usar o chapéu e a flexão da aba do mesmo, revela uma expressão cultural, além do humor do usuário, conservando as seguintes pecularidades.

1. Dobre a aba na parte frontal e posterior do chapéu: Característica popularizada; como chapéu "a pedra", se atribui a quem o porta, ser uma pessoa de êxito, que se encontra no esplendor e no prazer de sua vida, também é sinônimo de encanto masculino e destreza ao lutar.

2. Dobre a aba na parte posterior do chapéu somente: seu portador é considerado uma pessoa intelectual, e com vastos conhecimentos em uma determinada ciência ou saber.

3.Dobra da aba na parte frontal do chapéu somente:indica que quem o veste é um homem mulherengo, pronto para consquistar uma dama.

4.Ausência de dobra na aba do chapéu: não lhe atribui nenhum significado, se utiliza durante a fauna, para proteger-se dos raios de sol.

5.Ausência de dobra, inclinando a parte frontal do chapéu até adiante: quem o leva, se encontra decaído, consternado, aflito, seu uso é muito comum em pessoas, que se encontram atravessando um duelo.

Na atualidade, os artesãos,que confeccionam estes chapéus se encontram tratando de organizarem-se a fim de obter os melhores dividendos, ampliando seus mercados, vendendo seus produtos sem intermediários e incluso conseguem a exportação deste finos e bonitos chapéus.

É importante indicar que para a preservação desta legendária tradição de elaboração destes chapéus, não só se deve proteger e cuidar da mesma, como patrimônio cultural estabelecendo parâmetros e regras para sua conservação, preservação e difusão, além de que é necessário instituir uma política dirigida para resguardar a flora, que é a matéria prima na confecção dos chapéus.

Atualmente se encontra na Assembléia Nacional de Deputados o Projeto Lei 298, cujos proponentes são os Honoráveis Deputados Dana Castañeda, Luís Eduardo Quirós, Raúl Hernández e Jorge Arrocha.

Na continuação transcrevemos parte da exposição de motivos para a apresentação do ante-projeto desta lei, a carta diz:

" O atual Ante-projeto de lei, que submetemos a consideração desta Deferente Câmara, tem como propósito, que se mantenham e conservem as tradições folclóricas de nossos povos e conseguir a comemoração do dia 19 de outubro, como Dia Nacional do chapéu Pintao, além de estabelecer o Distrito de Pintada como centro do Chapéu Pintao.

Referir-se ao Chapéu Pintao, é referir-se a uma jóia artesanal, criada pelas mãos laboriosas do artesão pintadenho, que com o seu empenho envolve a dita peça de cultura e tradição.Com uma combinação entre fibras naturais e a habilidade do artesão pintadenho, que cria um tecido delicado, que por gerações tem sido chamado de Chapéu "Pintao".Este bonito artesanato é um símbolo da cultura panamenha, e constitue-se em um dos acessórios folclóricos mais antigos na história da República.Não há viseira nem chapéu, para competir com ele, o da "Pedra", ou fazendo sombra sobre a frente, o chapéu "Pintao" proclama o seu orgulho enraizado, fruto do empenho e da dedicação das mão trabalhadeiras de homens e mulheres, do povoado, da Pintada, que com seu trabalho são dignos de admiração"

O chapéu Pintao é parte essencial de nossa cultura nacional, as gerações atuais devem realizar os esforços necessários para preservar esta tradição, além disso, buscando a conservação da flora, pois se esta chegar a se extinguir, morre a tradição da confecção do chapéu Pintao e com ela parte importante de nossas tradições. O nosso compromisso e esforço é para que as gerações futuras possam seguir apreciando e vestindo esta peça cheia do orgulho panamenho.