Separação Panamá de Colômbia

 

Data: 03 de Novembro de 1903, Cidade de Panamá

A Separação

A união com a Colômbia, longe de contribuir para melhorar as condições de vida dos nativos do istmo, as havia deteriorado de maneira palpável, ao qual contribuía a devastação produzida pela Guerra dos Mil Dias, que não era senão a fonte de maiores desgraças para a população deste território.

O fuzilamento de Victoriano Lorenzo, o líder liberal, que se recusou a aceitar a paz de Wisconsin, serviu como um incentivo a ideia da separação definitiva do Istmo de Panamá.

O 25 de julho de 1903, o general José Vásquez Cobo, comandante militar de Panamá e irmão do então Ministro de Guerra Colombiano, ordenou o assalto da imprensa, que publicava o jornal El Lápiz, o qual havia narrado em detalhe o fuzilamento de Lorenzo e havia feito alguns protestos velados pelo sucesso.

Este fato, provocou a saída de Cobo de Panamá e fez com que finalmente os liberais panamenhos, se dessem conta de que não tinham nenhuma garantia, nem segurança, sob o regime conservador colombiano, e se passaram as fileiras da conspiração secessionista.

Proclamação da Ata de Independência

Em 3 de novembro de 1903, teve lugar a proclamação da independência na cidade de Panamá, decisão, que foi imediatamente respaldada no resto do país, e os panamenhos de consumo, declararam este território como um Estado independente e soberano com o nome da República de Panamá.A redação do documento histórico (Ata de independência do Istmo), que contém esta proclamação, foi encomendada na manhã do histórico dia 3 , pelo próprio chefe da revolução, Don José Agustín Arango, a um eminente jurista panamenho, de figuração destacada na vida política do país, o Dr.Carlos Antonio Mendonza, proeminente figura do Partido Liberal do istmo.