Oceano a Oceano, uma regata de luxo

Eles festejaram com copos de champanhe e ramalhetes, riam, se abraçavam e comemoravam seu desempenho, as meninas de Nossa Vitoria eram a grande sensação.

A regata Oceano a Oceano, Copa Centenário, organizada pelo Clube de Remos de Balboa, foi testemunha da supremacia feminina com a Nossa Vitória, uma equipe formada por quatro rainhas, que ganhou ontem, depois de 3 dias de competição, com um tempo de 5 horas, 24 minutos e 44 segundos.

María Antonia Vergara, Nimia Gómez, Nicole Stump e Cristel Correa completaram mais rápido as 47 milhas náuticas que compreendia o trajeto na edição 61 desta regata.

“Foi forte. A parte mais difícil foi o lago (Gatún), sofremos condições extremas. Nos levava a corrente, enchíamos o barco, mas conseguimos superar, com um trabalho coordenado”, comentaram as meninas.

Sobre o segredo de sua vitória, as mesmas asseguraram que não pode ser sem o trabalho em equipe, que sempre tem procurado realizar em suas apresentações.

Juntamente com a Nossa Vitória, outro barco, que deixou sua firma, no livro dos ganhadores foi Joey Rock, na mesma categoria, mas no ramo masculino.

Alfredo Herrera, um de seus remadores, indicou que eles venceram este evento pela terceira vez.

Joey Rock triunfou com cronômetro de 4: 48.13.

De seu lado, Saga se impôs na categoria open combinada com cronômetro de 5:29. 16.

Chava , na divisão juvenil, cumpriu com os prognósticos e levou o título de campeão com um tempo de 5: 28.10.

“Esta vitória significa muito para nós, pela quantidade de meses, que levamos treinando, a força, que temos empregado pelo aniversário dos 100 anos do Canal de Panamá, era algo de magnitude.Estamos bem contentes.O Chava atual se aposenta este ano, mas para a próxima edição vem com novos integrantes”, expressou Alfredo Orillac, um dos membros do grupo triunfante.

Pela categoria feminina, o barco ganhador foi Río Teta, com registro de 6:01.55.

Na divisão juvenil mista, Almost ganhou com a marca de 5:42.39.

A regata teve início na sexta-feira, na província de Colón, e se deu ao longo da via interoceânica.No marco da celebração dos 100 anos de serviço do Canal de Panamá, foi permitido aos barqueiros passar com os barcos pelas eclusas em Pedro Miguel e Miraflores.

Fonte: Panamá América